História

OMEL: Uma empresa construida com tecnologia, arte e comprometimento

OMEL Bombas e Compressores - 65 anosA OMEL Bombas e Compressores Ltda. é uma empresa brasileira fundada em 1952, com atuação global, pioneira na fabricação de bombas industriais no Brasil.

Sua linha de produtos inclui bombas centrífugas, dosadoras e de vácuo, sopradores, válvulas e medidores de vazão que servem o setor químico, petroquímico, minerador, alimentício, de saneamento entre outros.

Iniciou suas operações com a prestação de serviços de manutenção de bombas para as indústrias de processo e de construção de máquinas especiais. A crescente demanda por projetos especiais para diversas aplicações, no Brasil e no mundo, fez com que a empresa orientasse seus investimentos para o desenvolvimento de novos produtos, dando origem às suas primeiras linhas de bombas de vácuo e de bombas centrífugas.

 

As décadas de 1940 a 1950

Sr. Giovanni Vallo e o início...

Como o conhecimento técnico e a determinação de um homem se transformaram numa história de sucesso

O fundador da OMEL, o Sr. Giovanni Vallo, nasceu em Mondovì, uma pequena cidade localizada no Piemonte (região Norte da Itália), em 1917. Cursou a escola técnica e se alistou na Marinha Italiana em 1937, chegando a colaborar no desenvolvimento de mini-submarinos de ataque e outras soluções para lanchas torpedeiras. Quando deixou as forças armadas, foi contratado por uma firma de engenharia que também desenvolvia soluções para a Marinha. Em Mondovì, Sr. Vallo conheceu o Sr. Silvio Manfredi, seu patrão na Itália e, por algum tempo, também no Brasil.

História da OMEL   História da OMEL

História da OMEL   História da OMEL

Sr. Giovanni Vallo - Marinha Italiana 1937

 

Depois de a Itália ter sido ocupada por forças alemãs em 1943, o país ficou destruído. O Sr. Vallo que chegou a lutar na frente russa durante o conflito e, cansado da guerra, como muitos italianos, decidiu tentar uma nova vida em outro lugar. Foram esses os motivos que conduziram o Sr. Vallo, o Sr. Manfredi e o Sr. Pietro Conta, um amigo do Sr. Vallo e também funcionário do Sr. Manfredi, a deixarem do país e tomarem um navio para o Brasil em meados de 1950.

OMEL - Bombas e Compressores - Sr. Pietro ContaOs três chegaram ao Brasil e se estabeleceram em Santo André, em São Paulo, porque o Sr. Manfredi desejava fabricar implementos agrícolas, atividade que já executava na Itália. Ele contratou o Sr. Vallo como técnico e mecânico e o Sr. Conta como montador, mas encontrou dificuldades na comercialização de seus produtos. Assim, o Sr. Manfredi decidiu reinvestir na montagem de uma pequena fábrica de brinquedos, mantendo o Sr. Vallo e o Sr. Conta (foto) como seus funcionários.

O Sr. Vallo entretanto acabou não se adaptando ao novo ramo e decidiu deixar a empresa para tentar algo relacionado à manutenção e à fabricação de equipamentos industriais.

 

Com esse fim, em meados de 1952, ele ofereceu sociedade ao seu amigo o Sr. Conta e os dois fundaram a Oficina Mecânica e Elétrica Limitada – a OMEL.

A produção da empresa era bastante heterogênea e a OMEL chegou a fabricar máquinas de pneus em parceria com a Pirelli, que forneceu a tecnologia para produzi-las porque não tinha fornecedores capacitados no Brasil. Além dessas máquinas, a OMEL fazia manutenção, produzia e comercializava válvulas para salinas na região de Cabo Frio, para usinas de açúcar, para cerâmicas, para mineradoras, para empresas de saneamento básico e para o grupo Matarazzo, composto por indústrias da área alimentícia.

Foi justamente quando fazia uma de suas visitas a uma usina de açúcar européia, uma companhia açucareira francesa (Sucreriè Brasiliene), que o Sr. Vallo entrou em contato com um dos principais produtos que sua empresa iria fabricar no futuro: uma bomba de vácuo. Os engenheiros da companhia açucareira precisavam consertar uma de suas bombas de vácuo e também precisavam de fornecedores do produto no Brasil. O Sr. Vallo vislumbrou a oportunidade de entrar em um novo mercado e fez o conserto ao mesmo tempo em que absorveu a tecnologia. Ele ainda desenvolveu mais dois tamanhos diferentes desse equipamento a partir do projeto inicial (um maior e um menor) e acrescentou esses equipamentos ao seu portfólio de produtos.

Em 1957, mesmo mantendo a parceria com a Pirelli, a OMEL continuou a apostar no segmento de bombas e válvulas industriais e desenvolveu a válvula NT (uma válvula simples montada sobre um cilindro de borracha – o mangote – que pode ser acionada tanto manualmente quanto pneumaticamente). A OMEL desenvolveu o acionamento pneumático ao longo da década e a válvula NT acabou se tornando um grande sucesso de vendas porque seus custos de manutenção eram muito baixos (uma vez que o metal não entrava em contato com os líquidos, bastava trocar o miolo de borracha quando estivesse desgastado).

Depois do sucesso da válvula NT, o Sr. Vallo elegeu as bombas ebonitadas (revestidas de ebonite ou borracha natural para aumentar a resistência corrosão) tipo PV1, S e D2 e os rotâmetros (medidores de vazão geralmente ligados às linhas de bombeamento) como os próximos produtos a serem desenvolvidos. A OMEL desenvolveu esses produtos replicando tecnologias maduras que existiam em outros países, mas inovando ao revesti-los de borracha natural, de ebonite ou de chumbo para aumentar sua resistência a produtos químicos ou corrosivos geralmente bombeados pela indústria química. Assim, no final da década de 1950, a OMEL se tornou a primeira empresa a fabricar, no Brasil, bombas e rotâmetros, equipamentos que antes eram importados.

Em 1959, a OMEL mudou para a sua sede própria e ocupou um terreno com cerca 1.300 metros quadrados no Bairro da Mooca, em São Paulo. A pequena oficina havia se tornado uma fábrica e o Sr. Vallo recrutou um engenheiro do grupo Matarazzo para ser o responsável pelo departamento técnico e comercial. Um pouco mais tarde, no início da década de 1960, o Sr. Vallo também recrutou um engenheiro proveniente da APV – um produtor de equipamentos para pasteurização – e que dominava os conceitos relacionados a vácuo e a termodinâmica. Esse engenheiro, mais tarde, se tornaria um dos principais vendedores da empresa e também um dos novos sócios do Sr. Vallo.

As décadas de 1960 a 1970 : A expansão tecnológica

No final da década de 60 a empresa fabricava uma gama diversificada de produtos desenvolvidos especialmente para atender nichos de mercado até então, inexplorados. Com a grande receptividade de seus produtos no mercado, foram realizados acordos de transferência de tecnologia com empresas europeias, ampliando significativamente a linha de bombas de vácuo de anel líquido e dando início aos projetos de sopradores tipo roots.

A partir da década de 70 a Omel se destacou no mercado industrial por seus projetos exclusivos, desenvolvidos para a aplicação específica demandada pelo cliente quando da aquisição de seus produtos.

Atualmente, o contínuo incremento de sua linha de produtos, investimentos em pesquisa e atendimento exclusivo feito pela empresa garantem aos clientes Omel produtos e serviços de alta tecnologia para as mais diversas aplicações.

Arte em literatura técnica

A OMEL, valendo-se de sua experiência de mercado, conhecimento de engenharia e de aplicações, e a procura de novos mercados mantém uma literatura técnica de qualidade, buscando a maior acuidade e tentando atender de forma rápida e precisa as necessidades de seus clientes.

OMEL - Arte na literatura técnica